CONTADOR

domingo, 21 de setembro de 2008

CITADINO MUNDO

Por baixo a marina
num enredar
de mastros
emaranhar
de velas e bandeiras
proas, popas bailadeiras
iates de bojos listrados
coloridos debotados
cabinas, motores, lemes e lastros
por navegar.

Mais a cima o rumor
desmedido e profundo
do movimento constante
entre braços de aço
ferro e betão armado
maciço e rotundo
em faixas paralelas
atirando o fragor
dos comboios que se cruzam
nos carris assentes lado a lado
e dos carros, noutro tabuleiro
em sentidos opostos, ronco compassado.

Tudo reproduz movimento
do instante, do agora, do dia
dando a vida à vida dos sons e das imagens
num compasso de exausta sinfonia
que nos percorre
(enquanto se não morre)
em citadino mundo de viagens.

Lisboa , 19. 08. 2008

Mário Matta e Silva

1 comentário:

ilze disse...

Amei o blog e os poemas! Parabens a voces,meus amigos queridos,por mais essa empreitada! Deixo flores virtuais para festejar a primavera e alegrar ainda mais este cantinho! Um beijo pra voces. Ilze