CONTADOR

quarta-feira, 20 de maio de 2009

HARPEJOS DE FELICIDADE


HARPEJOS DE FELICIDADE


Naquele dia, apetecia correr despidos em direcção ao vento.

Escorregar num raio de sol até ao mar, tão transparente como olhares serenos.

O escuro dos desgostos, crueldades e traições ficaram pendurados nas portas dos quartos abafados.

Dançava no ar a esperança da renovação; o reencontro com a vida.

Bocas sorriam no vermelho das suas cores: Cerejas doces e cravos de Primavera.

Todas as mãos eram asas batidas de pássaros felizes, dando-se como ninhos macios.

Os corpos, nuvens brancas e suaves, deslizavam no sonho efémero do céu libertador.

O paraíso abria-se generoso.

Perfumes raros desprendiam-se dos cabelos, apaziguando outros odores.

Como era lindo o mundo, naquele dia.


Mas foi só naquele dia...

Porquê só naquele dia... ?


Liliana Josué

2 comentários:

Anónimo disse...

Mas gostei de saber como foi naquele dia.
Beijo
Sustelo

Anónimo disse...

Liliana,
Parabéns. O seu blog está bonito. Hei-de visitá-lo mais vezes e deixar-lhe um comentário sobre os trabalhos.
Um abraço da amiga
Maria Ivone Vairinho