CONTADOR

domingo, 7 de junho de 2009

TRIUNFO DA REVOLTA





















TRIUNFO DA REVOLTA
Há-de chegar o dia das manhãs serenas
bucólicas
amenas
em que a raiva já não rasgue
meu peito
na revolta que se segue
à injustiça sofrida e sem jeito.
Não quero amarras sombrias
correntes frias
crias
duma gestação programada
pela revolta do ontem, do hoje
e, quem sabe, do amanhã .
Revolta que sai fria, destilada
de toda a esperança que foge
enjeitada
abocanhada
no mundo do nada.

Há-de chegar o dia das manhãs serenas

onde andorinhas voarão
jamais em vão,
isso não.
Em que a existência de mim mesma
não me faça cativa
dum gesto que existiu
floriu
sorriu

e mentiu.
Não quero uma vida fria
enredada por abismos
que meu suor construiu
num remoer de existência
em teimosa imprudência
que o mundo me consentiu.

Há-de chegar o dia das manhãs serenas
onde as flores serão tantas
e as cores tão vigorosas
pendentes dum frágil caule,
que essas doçuras pequenas
transformarão
meu rasgão
de solidão
em atitudes e vontades vigorosas
onde esta inércia imbecil
fará parte dum passado estrangulado
por mãos protectoras de alguém
sem rosto
e sem dimensão
mas cantando-me por gosto.

Há-de chegar o dia das manhãs serenas
onde por inteiro, escorraçarei minhas penas.



Liliana Josué

2 comentários:

Anónimo disse...

CADA VEZ TENS COISAS MAIS BONITAS NESTE TEU BLOGUE. ESTOU CONTENTISSIMO COM OS ULTIMOS MAS TAMBÉM JÁ O ESTAVA COM OS ANTERIORES. EU SEMPRE PENSEI QUE TU IAS LONGE... TENS MUITA GARRA, MUITA MESTRIA E MAIS DO QUE TUDO, MUITA SENSIBILIDADE. ÉS MESMO POETA! BEIJO DO MÁRIO

Anónimo disse...

Cada vez mais lindos porque sentidos e bem estruturados. Fico contente quando te leio porque ao ler os teus poemas a vida sorri de tanta beleza que transmites. Mário