CONTADOR

segunda-feira, 6 de julho de 2009

DANTE ALIGHIERI (DIVINA COMÉDIA)



Poema meu dedicado a Dante Alighieri, assim como à sua obra literária "A Divina Comédia", em jeito de brincadeira.
Escritor italiano medieval, nascido em Florença em 1265 e falecido em Ravena em 1321.
DANTE

Revolvi-me estremunhada
no meu sono, em sobressalto
e deparei, perturbada
com alguém que lá do alto
me observava inquiridor
numa altivez superior.

Minha nudez afrontou
seu olhar de miopia
indignado apontou
esta solta anatomia.
Perguntei num grito farto
que fazia no meu quarto?

Respondeu-me ser o Dante
saído duma Comédia
e como homem importante
alertou-me p'rá tragédia
da vida cá neste mundo
tão corrupto, podre, imundo!

Indicou um Leopardo
pecador incontinente;
um Leão mal encarado
de violência imprudente
e uma Loba que em malícia
se ondeava com perícia.

Apontou uma montanha
entalada em céu e água
que expurgava gente estranha
em transe de reza e mágoa.
E os anjinhos piedosos
guardavam o céu briosos.

Desvendou em gesto trémulo
o Jardim de Beatriz
vaporoso e colorido
como ele a sonhou e quis
pois tocar-lhe... isso jamais
de retro pecados carnais.

O medo colou-se a mim
como um demo pegajoso
eu, neste terror assim
fugi do ser horroroso.
P'rá minha cama saltei
e aos lençois me enrolei.

De tremores e transpirada
acordei esparvoída
em esbracejos, transtornada
toda partida e moída.

Sonhos danados, então...
temas assim é que não!
Liliana Losué






2 comentários:

luisa disse...

Achei o poema muito fantástico e imaginativo que nos leva a querer mais história. Mas achei-o curto porque acaba repentinamente.Beijinhos.Milu

Liliana Josué disse...

Olá amiga Milu

Obrigada pelo teu comentário.

Este poema não era propriamente para (re)poemar a "Divina Comédia" de Dante, mas para aguçar o interesse das pessoas para ler a obra, ou informar-se sobre ela, e serviu igualmente para eu fazer uma brincadeira em poesia.
Muitos beijos para ti também.