CONTADOR

domingo, 23 de agosto de 2009

HEI-DE RASGAR MEU CAMINHO



(Imagens retiradas do Blog Sombra de Peixes - Hector Othon)

Hei-de Rasgar Meu Caminho

Rasguem-me as roupas da alma
esburaquem meu coração
retracem-me o pensamento
diluam meu ser no ácido da aridez
que hei-de obstinar-me em viver
na teimosia da permanência
força da resistência
por ser gente
por ser eu.

Mesmo que o escarninho mundo
não queira
e me atropele a navegação
dos pensamentos
hei-de seguir meu caminho
cuspindo todo o desdém
e até raiva
pelos iluminados desta civilização.
Podem todos atirar-se
à fúria do mundo competitivo
onde a liberdade é refém
dos esgares duma loucura
que se esconde no momento persuasivo
da vitória entre os outros;
os de mente dita escura
sem horizontes prodigiosos
muito para lá do além.

Deitem-me pois na valeta
torturem-me a carne rija
ou matem-me se quiserem
que o meu não é nota certa
ao vergar que se me exija.

Liliana Josué

2 comentários:

Anónimo disse...

A força do poema!!! Gostei.
Beijinho
Sustelo

Liliana Josué disse...

Obrigada Sustelo pelo seu simpático comentário.

Beijo.