CONTADOR

domingo, 23 de agosto de 2009

SONHOS ÍNDIOS




Imagens tiradas do blog de Juremeiro Neto

SONHOS ÍNDIOS(POEMA DE JOSÉ MANUEL VERÍSSIMO)

Reescrevo palavras debruçadas
Do cristalino das pupilas..........
Enchi-me de ar e de gás
Subi ao sabor do vento
Na pista do arco-íris
Mantive quanto pude
A energia
O balão
A força
Sentia-me papagaio de papel
E subia
Em sussurros de pôr de sol
Para amanhecer
Num instante
Em que a Primavera despertava
E o frio do Inverno derretia
Eras meu irmão e eu amava-te
Com a decisão de um duende
Guardião de ninhos
Em nome dos espíritos da floresta
Eras minha irmã e eu amava-te
Nesse amansar de nervos
Quando os teus cabelos escorriam
Rebeldes por entre os meus dedos

Acreditávamos no nosso fogo
Planeávamos trios de amor
E partos colectivos
De outros mundos
Crianças a ensaiar sorrisos prematuros

Em rituais de Primavera
A quebrarem
Os cantos cinzentos do poder

E de meia dúzia
Passamos a dúzia e meia
Grávidos de esperança
Por acontecer
E crescemos em sérios carnavais de sensatez:
Os diplomas
Os olhares baços
Os lucros
De algumas vendas
A seriedade
Dos que descobriam cansaços
O conforto de........finalmente
Chegou a nossa vez................


Ficámos cada vez menos
A olhar as fogueiras
Entre a Primavera e o Verão
Esperando da Terra e do Fogo
Numa praia adormecida

Cantando em olhares brilhantes
O coro das marés
As angústias de pequenas ondas
Nos murmúrios solitários
Dos amigos perdidos
Que rumam a sós no escuro
E procuram fogueiras ainda acendidas
Em lareiras semeadas por aí .

Locais sagrados
Cóis de índios banidos
Para o quotidiano cinzento e duro
Longe dos outros
E de cada outro de mim


Teimo
Espero
Sonho
Com dúzias de olhares
Cintilantes na noite

Nos cemitérios índios
Um dia
O horizonte
A vida
As pradarias sem fim

José Manuel Vreíssimo
Seixal, Maio 2002

Sem comentários: