CONTADOR

sábado, 7 de novembro de 2009

SONOLÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE



Vejo tédios
abrir de bocas
em sonolências amenas
espreitando de prédios
escondendo-se em tocas
ou caminhando apenas.
Seres bafientos, banais
desprovidos de espinhas dorsais .

Arrastam-se como as lesmas
em busca duma folha
ou erva, que não podem perder.
Rastejam e comem na mesma
irracionalidade, que aferrolha
qualquer ser amorfo e sem querer.
Sombras sem esqueleto
perdidas no próprio gueto.

O tempo avança indiferente
aos ventos que vão soprando
na força do próprio eterno
cavalgando superior, impertinente.
E o mundo vai-se devorando
com os dentes do Inferno.
Mas as lesmas (bicho mole)
só querem folhas e sol.

Liliana Josué

2 comentários:

Anónimo disse...

MAIS UMA VEZ CÁ ESTÁS MARCANDO O TEU UNIVERSO REPECTO DE IMAGENS COMO ESTA DA LESLA. EU OIÇO-TE ENCANTADO PORQUE OUVI OS TEUS PRIMEIROS ACORDES DE INTENSA EUFORIA COM PESSANHA E OUTROS... ADMIRO-TE MUITO. UM ABRAÇO ESPECIAL - MÁRIO

Liliana Josué disse...

Olbrigada Mário pela tua simpatia.
Peço desculpa de só agora ter agradecido o comentário mas tenho tido o tempo muito limitado para vir ao meu blog.
Espero que em breve estabilize mais um pouco.
Um abraço grande.