CONTADOR

segunda-feira, 10 de maio de 2010

GLOSA A UM SONETO DE ANTERO DE QUENTAL







MOTE

(ENQUANTO OS OUTROS COMBATEM
- SONETO DE ANTERO DE QUENTAL)

(Temático APP)

(Empunhasse eu a espada dos valentes!
Impelisse-me a acção, embriagado,
Por esses campos onde a Morte e o Fado
Dão lei aos reis trémulos e às gentes…)

GLOSA

Podia matar medos e cansaços
Fortalecer minhas mãos impotentes
Limpar a nuvem dos meus olhos baços…
Empunhasse eu a espada dos valentes!

Ser dono de mim próprio eu queria
Se não tivesse o espírito acossado
Na impertinência duma vida fria…
Impelisse-me a acção, do embriagado,

De vontade forte, corcel alado
No torpor de doces esperanças quentes
Por esses campos onde a Morte e o Fado

São eternos heróis, queridos entes
que com seu porte integro, aprumado
Dão lei aos reis trémulos e às gentes.

Liliana Josué

Sem comentários: