CONTADOR

segunda-feira, 19 de julho de 2010

CRIATIVIDADE NOTURNA





Soltou-se o animal nocturno
de dentro dum peito cavernoso
mas sonhador.
Animal cinzento de olhos amarelos.
Um lastro vermelho saiu da sua boca
e barcos de letras navegaram
nesse lastro
de mastros erguidos
rodeando-se uns aos outros
numa tentadora curiosidade
desconfiada.
Aportaram à beira do lastro vermelho.
Letras miudinhas saltaram
e brincaram
num dançar de pontas
muito secreto.
Olharam-se na procura
de quem lhes servisse de par
na falsa cautela dos desconhecidos.
Peixes cantaram em coro
melodias prateadas
conchas esguicharam roxos repuxos
algas dançaram no fundo do lastro
de forma sensual nos seus múltiplos tons
de harmonia.
As letras, ligeiras, foram-se envolvendo
namorando, casando, separando-se...
(misturas necessárias)
Fizeram rodas imensas
em sons metálicos;
linda ilha de amores...
Do seu acerto nasceram palavras
com nexo...
sem nexo...
Coisa indiferente.
Das palavras brotaram versos
e destes avós e pais
soltou-se a IMORTALIDADE
de fato dourado
e flores na cabeça.
Mas a noite acabou
o lastro secou
o céu agitou-se
os peixes calaram-se
as algas adormeceram
e o animal nocturno
voltou para o peito cavernoso
mas sonhador.
Só a POESIA ficou.

Liliana Josué

4 comentários:

Anónimo disse...

Como sempre, gosto muito desta forma de poesia.
Bjñs
Edite

Liliana Josué disse...

Olá Edite

Mais uma vez agradável e simpática um grnde beijo.
Liliana

Marcelino disse...

Belíssimo texto, Liliana: extremamente plástico, visual.

Liliana Josué disse...

Viva Marcelino
É um gosto tê-lo aqui no meu blog novamante.
Mutio obrigada pelo seu simpático comentário.