CONTADOR

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

NATAL





NATAL




Cheira a pinheiros e a neve…

Toscas imagens de barro…

Sinto aquele ar muito leve

Desses tempos que eu agarro



Olhos fremindo ilusões

De criança enfeitiçada

P’los brilhos dos corações

Com que a vida é enfeitada



Mas sentada ali na esquina

Está uma suja menina

Duma pobreza brutal



O sonho esvai-se sombrio

Em mim instalou-se o frio

E deixou de ser Natal.


Liliana Josué





















Sem comentários: