CONTADOR

quarta-feira, 1 de julho de 2015

PROCISSÕES


 Isto de Santos e Santas
Tem muito que se lhes diga
São eles tantos e tantas
Que contá-los trás fadiga

Gostam de estar em sossego
No cantinho da igreja
Em devoção e apego
Por lugar que se não veja

Mas o pagode é tramado
Quer a festa por direito
E o Santinho assustado
Vê-se na rua, sem jeito

E lá sai a procissão
Com ele bem lá no alto
Sem lhe pedir permissão
Ou sequer fazer contracto

Aqui Santa tem lugar
Pois é local de oração
Sai apenas do altar
Por demonstrar devoção

Depois há bênçãos e hinos
Lenços a dizer adeus
Beijos, asas de anjinhos
Tudo por amor a Deus

30/06/2015

Liliana Josué

2 comentários:

Marcelino disse...

Muito bom: quem é da "Santa terrinha" sabe mesmo falar dos santos. Teu texto está escrito em uma forma muito popular no Brasil. As redondilhas são muito usadas e nossos cordéis no nordeste brasileiro. E o conteúdo, então, é excelente: a figura dos santos e santas é sempre muito bonita quando articulada ao apego popular. O povo precisa continuar careditando pra encontrar alguma força, alguma esperança, num mundo em que a política e a economia transformam a vida em um inferno.

Liliana Josué disse...

Tem toda a razão Marcelino, temos de fazer alguma coisa divertida e positiva para não nos deixarmos ir ao fundo. Mais uma vez obrigada pelo seu simpático comentário.
Em Portugal as quadras ou redondilhas também são muito utilizadas principalmente agora (no mês de junho) porque é a altura em que se comemoram os três Santos (Sto. António, S. João e S. Pedro). É Chamado o mês dos Santos Populares e eu resolvi brincar um pouco com isso.

Cumprimentos.

Liliana